Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Criada por Luís Rosado
Imagem da Noticia

Criada por Luís Rosado

no dia 06 de Agosto de 2012
Identificar, de forma rápida e eficaz, lesões de pele potencialmente cancerígenas. é este o propósito da aplicação móvel , o investigador português de 26 anos responsável pelo desenvolvimento da Melanoma Detection. O software para smartphones - desenvolvido no âmbito de uma parceria entre o investigador do centro Fraunhofer Portugal AICOS e do Instituto Português de Oncologia no Porto - tira partido dos recursos deste tipo de equipamentos para alertar os utilizadores para o risco daquele que é "um dos problemas de pele mais frequentes na população caucasiana": o cancro de pele. De acordo com os responsáveis pelo projeto, este tipo de cancro é "um dos que mais tem crescido nos últimos anos" e a sua deteção precoce "é de importância vital", o que motivou o investimento numa solução deste género. A aplicação permite tirar uma fotografia à zona potencialmente de risco, procedendo depois à análise automática da imagem - com recurso a "quatro características visuais altamente relevantes para a deteção precoce de melanoma maligno: assimetria, cor, estruturas diferenciais e bordos irregulares", lê-se num comunicado à imprensa. Feita a análise, o utilizador recebe "um feedback visual", em tempo real, do risco que tem de desenvolver uma lesão de pele. Desta forma, o utilizador pode perceber se um determinado sinal na pele constitui ou não uma situação que deva ser verificada por um médico especialista, explicam os responsáveis. A fotografia é também guardada num servidor, "para que possa ser analisada por um médico e para que fique disponível para comparações posteriores a imagens tiradas à mesma zona", acrescenta ainda a nota aos meios. A avaliação das fotografias é feita com recurso a um algoritmo baseado num conjunto de imagens de lesões de pele previamente classificadas por especialistas do Instituto Português de Oncologia do Porto. A aplicação não está, por enquanto, acessível ao público. O TeK solicitou mais informação ao Fraunhofer AICOS (Research Center for Assistive Information and Communication Solutions), nomeadamente a respeito das plataformas para as quais estará disponível, e está a aguardar o esclarecimento. Fonte:Sapo Tek [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não