Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Galardão da Harvard Medical School
Imagem da Noticia

Galardão da Harvard Medical School

no dia 14 de Julho de 2017

Chama-se Inês Laíns, é uma médica portuguesa da especialidade de oftalmologia, e acaba de ser distinguida com o Evangelos S. Gragoudas Award. Trata-se de um importante prémio na área da oftalmologia que distingue o melhor artigo científico publicado pelo serviço de oftalmologia da Harvard Medical School, Estados Unidos. A jovem médica trabalha no Massachusetts Eye and Ear Hospital, o melhor hospital mundial na área da oftalmologia.

O seu artigo científico foi de particular importância para compreender a degenerescência macular relacionada com a idade (DMI), a principal causa de cegueira em indivíduos com mais de 50 anos no mundo ocidental. Segundo a investigadora “Trata-se de uma doença progressiva, que geralmente não causa sintomas nas fases iniciais, só se manifestando por perda de visão quando já há lesões oculares muito significativas. Infelizmente, os típicos testes de visão efetuados numa consulta de oftalmologia chegam já muito tarde e precisamos de novas formas de identificar e reconhecer doentes com DMI, ou em risco de desenvolver a doença.”

Foi tendo em conta estas queixas, e com a ajuda de um novo teste capaz de em 20 minutos avaliar a capacidade de adaptação ao escuro de quem sofre de DMI, que Inês Laíns e a sua equipa se debruçaram. “O nosso estudo foi desenvolvido com o objetivo de avaliar se, de facto, havia uma relação entre o tempo que uma pessoa demora a adaptar-se ao escuro e as lesões de DMI que conseguimos visualizar com exames de imagem do fundo do olho.”

Estudo cujos resultados, acrescenta, foram os primeiros a confirmar que “a presença de determinadas lesões oculares estão associadas a um maior tempo necessário para que haja capacidade de ver no escuro”. Conclusões “essenciais para o modo como, no futuro, podemos avaliar doentes com DMI e fazer o seu seguimento. São também muito importantes para que possamos compreender melhor as alterações oculares que acontecem nesta doença. Isto é crucial para que possamos desenvolver novas estratégias e alvos terapêuticos para esta causa líder de cegueira”. Os resultados do estudo, que foram recentemente publicados na revista da Academia Americana de Oftalmologia, uma das mais prestigiadas da área a nível mundial, foram agora distinguidos com este importante prémio.


Sobre a investigadora - Inês Laíns completou a sua formação médica na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, onde o seu desempenho académico mereceu múltiplas distinções. Apesar de ter iniciado a sua carreira de oftalmologia no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), mudou-se para Harvard após ter recebido um prémio da Harvard Medical School Portugal. Este prémio deu-lhe a oportunidade de rumar ao Massachusetts Eye and Ear (MEE), nos EUA, onde atualmente se encontra a desenvolver um projeto de colaboração entre Portugal e os Estados Unidos na área da DMI. Este projeto envolveu o estudo de mais de 500 doentes portugueses e americanos com esta doença, e está já a demonstrar importantes resultados, com várias publicações nas melhores revistas de Oftalmologia mundiais. Como curiosidade, a Dr. Inês Laíns trabalha neste projeto sob supervisão da Dra. Joan Miller, uma autoridade mundial em oftalmologia e vencedora do Prémio Champalimaud da visão em 2014. Do seu currículo faz também a conquista, em três anos consecutivos, do prémio pelo melhor poster no âmbito do Massachusetts Eye and Ear/HMS Department of Ophthalmology Annual Meeting and Alumni reunion.

 

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não