Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Lagoa e Portimão aderem a Projeto Salva-vidas
Imagem da Noticia

Lagoa e Portimão aderem a Projeto Salva-vidas

no dia 14 de Julho de 2017

A Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC), em parceria com a Senilife e os hipermercados Jumbo, lançou no passado mês de março o Projeto Salva-vidas, uma campanha pública de âmbito nacional de sensibilização para a morte súbita. Esta iniciativa chega agora ao Algarve: a 15 de julho, pelas 10h, ao Jumbo de Lagoa e, no mesmo dia, pelas 11h30, ao Jumbo de Portimão, onde as Pulseiras Salva-vidas já vão estar disponíveis. A iniciativa vai contar com a presença, em Lagoa, do Presidente da Delegação do Algarve da Fundação Portuguesa de Cardiologia Dr. José Coucello e, do “embaixador” desta campanha no Algarve, Sr. Fernando Rocha, Presidente do Portimonense Sporting Clube.

A participação na campanha é simples: basta a aquisição das Pulseiras Salva-vidas nas Parafarmácias dos hipermercados Jumbo (Espaços Saúde e Bem-Estar), pelo valor simbólico de 2€. Por cada grupo de 1500 vendidas as entidades promotoras do projeto oferecem um kit salva-vidas, composto por um desfibrilhador com reanimação de alta qualidade e respetiva formação em Suporte Básico de Vida com Desfibrilhação Automática Externa e primeiros-socorros, a uma entidade identificada desde o início das vendas das referidas pulseiras. As entidades a receber este Kit, após a venda das 1500 pulseiras, serão a Associação Cultural e Desportiva CHE Lagoense (com o apoio do Jumbo de Lagoa) e o Centro de Apoio a Idosos de Portimão (com o apoio do Jumbo de Portimão).

Atualmente a morte súbita mata cerca de 10 mil pessoas em Portugal todos os anos e, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, cerca de 20 mil pessoas por dia em todo o Mundo. Em Portugal, o número de desfibrilhadores, um dos instrumentos mais eficazes de combate a esta problemática de saúde pública, é de cerca de um para cada 10 mil habitantes.

 

Para o Prof. Doutor Manuel Carrageta, Presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia, «esta iniciativa pretende realmente salvar vidas. O objetivo é dotar escolas e instituições dos conhecimentos e meios necessários, porque nos casos de paragem cardiorrespiratória cada minuto conta para a possibilidade de sobrevivência da pessoa». Após este evento, a vítima perde 10% de hipóteses de sobrevivência por cada minuto que passa.

Tendo em conta que o cérebro apenas sobrevive 3-5 minutos sem oxigénio, ao final de cinco minutos sem assistência, a vítima apenas tem 50% de probabilidade em sobreviver.

Esta iniciativa visa despertar consciências, estimular a solidariedade social e sublinhar a importância das técnicas de Suporte Básico de Vida (SBV), uma vez que uma reanimação cardiorrespiratória de alta qualidade aumenta em 2.72 vezes a probabilidade de sobrevivência do doente sem sequelas.

O kit Salva-vidas é composto pela entrega do desfibrilhador automático externo; de licenciamento do PNDAE (programa de desfibrilhação junto do INEM); e de duas ações de formação; uma formação de Suporte Básico de Vida com Desfibrilhação (SBV-DAE) creditada para seis formandos/seis horas; uma acção de formação de primeiros socorros (12 formandos/oito horas) e mala de primeiros-socorros advance.

Pretende-se assim formar equipas e disponibilizar a escolas/instituições os equipamentos e conhecimentos necessários para responder a eventuais situações de paragem cardiorrespiratória.

A morte súbita é uma das causas mais frequentes de morte evitável no Mundo industrializado. A Organização Mundial de Saúde aprovou uma declaração conjunta com entidades internacionais em que se recomenda o ensino destas técnicas de SBV em crianças em idade escolar, a partir dos 12 anos. As crianças em idade escolar têm uma postura menos inibida do que os adultos na formação em ressuscitação e tanto os profissionais médicos como os professores reconhecem o seu sucesso após a formação dada. Ao ter esta formação nas escolas, existe um “efeito multiplicador” que pode aumentar a taxa de sobrevivência. Quanto mais cedo se inicia esta formação, mais sustentável será.

Para Cristina Santos, Diretora-Geral da Senilife, «esta ação pretende que ao disponibilizar os desfibrilhadores a um maior número de população, se salvem mais vidas. Os beneficiários são os alunos, os trabalhadores, os desportistas, o público e os nossos filhos. Todos podemos salvar uma vida». Segundo Paulo Monteiro, Diretor da área de Nutrição, Saúde e Bem-estar do grupo Auchan (Hipermercados Jumbo), «associamo-nos a esta iniciativa pela importância que assume, e enquanto concretização dos nossos compromissos com a comunidade, resultantes da Certificação em Responsabilidade Social de que o Grupo é detentor».

 

 

 

 

 

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não