Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Associação de Deficientes nasce em Oliveira do Hospital
Imagem da Noticia

Associação de Deficientes nasce em Oliveira do Hospital

no dia 19 de Maio de 2004
Nove anos depois do fatídico acidente que o atirou para uma cadeira de rodas, António Guilherme, um cidadão tetraplégico de Oliveira do Hospital, vê agora um sonho antigo tornar-se realidade: a criação de uma associação de deficientes no concelho já está em marcha e pretende ser o ponto de encontro de dificuldades e anseios de quem um dia viu amputada uma parte da vida Internado no lar da Fundação Aurélio Amaro Dinis desde que um acidente numa viatura dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital lhe traçou o destino, António Guilherme, 41 anos, garante que a ideia de criar uma associação de deficientes não é de agora. Quatro anos consecutivos a realizar uma corrida de cadeiras de rodas proporcionaram-lhe diversos contactos que conduziram até este objectivo. António Guilherme sabe que há pelo menos 37 pessoas no concelho nas mesmas condições em que ele se encontra, isto é, com deficiências motoras na sequência de acidentes de viação ou de trabalho, embora a maioria permaneça com a família e não em instituições. O que é muito doloroso é ver que estas pessoas praticamente não saem de casa, ou porque saem e são os coitadinhos ou porque muitas vezes têm complexos e não vêm sequer à rua, lamenta o principal promotor da iniciativa. A associação de deficientes deverá ser constituída só em Julho, mas conta desde já com a uma sede: as instalações de um antigo stand de automóveis, no centro da cidade, foram disponibilizadas pelo seu proprietário para essa finalidade e deverão funcionar durante todo o dia. Está, aliás, prevista a abertura de um bar, uma sala de reuniões, e uma outra divisão para exposição de material ortopédico, que deverá ser alugado aos sócios a preços simbólicos. Serviços múltiplos A ideia é, de resto, estender esse serviço à população não deficiente que assim quando parte uma perna ou um braço já não precisa de ir logo a correr comprar umas muletas, porque nós pretendemos alugar esse material. O objectivo é que as receitas do aluguer possam ajudar, a par com o pagamento das cotas e a exploração do bar, a suportar os custos com o funcionamento da associação. António Guilherme refere ainda outra vertente que quer ver reforçada com a constituição da associação, que é a área do desporto.Em Oliveira do Hospital não há nada para deficientes e como infelizmente nós já não podemos fazer muita coisa, pelo menos, vamos tentar manter as pessoas ocupadas com a organização de provas desportivas. Por outro lado, o futuro dirigente da associação fala também em equipar a sede com material informático adaptado para deficientes, já que é um tipo de equipamento que se encontra fora do alcance da esmagadora maioria dos deficientes do concelho. António Guilherme aponta o exemplo da Casa da Cultura, onde se encontra a funcionar há vários meses, no segundo piso, o espaço Internet, mas cujo elevador lamentavelmente ainda não está ligado à corrente. Embora a Câmara Municipal, tem de se dizer, esteja a fazer um esforço muito grande para que os novos projectos contemplem sempre rampas, reconhece, criticando ainda assim algumas pessoas que continuam a aproveitar a rampas para estacionar. Com o apoio de diversas personalidades oliveirenses já garantido, António Guilherme espera que a associação seja capaz de promover o convívio entre deficientes e não deficientes, porque se continuarmos a ser olhados como os desgraçadinhos, isso também não ajuda nada. Fonte:Diário de Coimbra [Fim de Noticia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não