Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Medicamentos contra colesterol reduzem risco de cancro
Imagem da Noticia

Medicamentos contra colesterol reduzem risco de cancro

no dia 17 de Maio de 2005
Os medicamentos habitualmente usados para baixar o colesterol podem também reduzir, em mais de metade, o risco de contrair alguns tipos de cancro, indicam estudos hoje apresentados em Chicago, estado do Illinois, Estados Unidos. Segundo estes trabalhos, apresentados na "Semana das Doenças Digestivas", os fármacos à base de estatinas (um tipo de proteínas), receitados para baixar os níveis de colesterol e evitar doenças cardíacas, podem reduzir em mais de metade as probabilidades de sofrer cancro do esófago e do pâncreas. "A investigação hoje apresentada sugere que estes componentes (as estatinas) podem ter benefícios para a saúde que vão para além do coração e podem afectar o corpo inteiro", afirmou o médico John Johanson, da Universidade de Illinois. Os estudos foram realizados com dados de ex-militares norte- americanos entre Outubro de 1988 e Junho de 2004. Os investigadores concluíram que o consumo de estatinas está associado a uma redução de 59 por cento do risco de contrair cancro do pâncreas, e de 56 por cento no caso de cancro do esófago. Embora os peritos considerem necessário aprofundar a investigação, um dos autores do estudo, Vikas Khurana, disse esperar que a comunidade médica continue a analisar as estatinas e os seus potenciais benefícios na prevenção do cancro. O cancro do pâncreas é um dos mais mortíferos nos EUA, onde são diagnosticados anualmente 27.000 casos. Quase todos os pacientes morrem em consequência da doença. O cancro do esófago é muito mais comum entre os homens, embora afecte mais os afro-americanos do que os brancos. Dos 14.500 norte-americanos que deverão ser diagnosticados este ano, prevê-se que 13.500 sucumbam à doença. Fonte:Lusa [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não