Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Canal para incapacitados vai ser proposto ao Governo
Imagem da Noticia

Canal para incapacitados vai ser proposto ao Governo

no dia 31 de Dezembro de 1970
A criação de um canal de televisão para cidadãos com necessidades especiais vai ser proposta às associações de deficientes e, depois, ao Governo e Assembleia da República.

A iniciativa parte de Francisco Godinho, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), que adiantou ao Diário Económico (DE) estar já a preparar a proposta.
Esta é uma oportunidade, um desafio pelo qual temos de lutar em 2002, o da criação de um canal de televisão que sirva pessoas que não podem ler legendas, ou ouvir, deficientes mentais, cegos, surdos ou mesmo analfabetos, que teriam acesso a conteúdos em português, adiantou ontem o responsável num debate sobre as Tecnologias e Serviços para Cidadãos com Deficiências promovido pela Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC) em Lisboa.
A criação do novo canal que, defende, deverá ser de acesso livre é nesta altura, urgente, já que o lançamento da televisão digital terrestre vai ser feito este ano e porque vai ser revisto o contrato de concessão do serviço público de televisão, referiu ao DE. De acordo com o Francisco Godinho, este novo canal deveria ser atribuído à RTP (enquanto concessionária do serviço público), considerando imprescindível que este seja um dos três canais reservados para licenciamento e lembrando que um desses canais deverá ser atribuído à RTP com fins educativos.
O responsável admite que têm existido iniciativas para dar condições aos menos capacitados: um parecer da Alta Autoridade para a Comunicação Social no sentido de criar condições especiais, algumas medidas no quadro do concurso para a plataforma da televisão digital terrestre ou o compromisso do consórcio vencedor de dirigir 11 a 13% do investimento para pessoas incapacitadas, nomeadamente com um acesso mais económico. Mas para Francisco Godinho a questão mais pertinente são os conteúdos. Devia integrar-se um serviço público de leitura, adaptar livros a vídeo e com linguagem gestual, desenvolver o serviço de dobragem e de linguagem gestual.

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não