Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Doentes com problemas cardiovasculares desconhecem factos básicos da doença
Imagem da Noticia

Doentes com problemas cardiovasculares desconhecem factos básicos da doença

no dia 14 de Fevereiro de 2006
De acordo com os resultados de um novo estudo internacional, os doentes com elevado nível de colesterol desconhecem os riscos e vivem na ignorância. As pessoas com colesterol elevado e em risco de Doença Cardiovascular (DCV) não estão informadas da natureza da sua doença, não entendem as consequências do colesterol elevado e não se apercebem que esta condição pode provocar um enfarte ou um Acidente Vascular Cerebral (AVC).(1) Estas são algumas das conclusões alarmantes de um novo estudo internacional de grande escala que foi realizado a pessoas a quem foram diagnosticados elevados níveis de colesterol. O colesterol elevado é o factor de risco mais comum na doença cardiovascular, que está relacionada com a morte de cerca de 17 milhões de pessoas anualmente em cada dois segundos morre uma pessoa por doença cardiovascular.(2) Os níveis de colesterol foram definidos pelos especialistas(3-5), mas o estudo revelou que os doentes têm um conhecimento escasso dos níveis de colesterol saudáveis que deveriam atingir:(1) Um em dois doentes afirma que não foram informados ou que se esqueceram dos seus níveis de colesterol. Dois em três desconhecem o nível de colesterol ideais (e saudáveis) que deveriam atingir. Somente um em três acredita que realmente atingiu os níveis de colesterol ideais. O Professor Richard Hobbs, Professor de Cuidados Primários e Prática Geral da Universidade de Birmingham no Reino Unido, e co-autor do estudo, comentou: Estes resultados demonstram que apesar da elevada incidência e dos grandes riscos de DCV, o nível de conhecimento e compreensão continua a ser demasiado reduzido mesmo em pessoas diagnosticadas com elevados níveis de colesterol. Pela primeira vez, este estudo dá a conhecer a realidade de quão pobre é o conhecimento dos doentes com DCV. Estes continuam em risco de virem a sofrer um enfarte ou um AVC, apesar da diversidade das campanhas preventivas que têm sido promovidas nos últimos anos para aumentar o conhecimento público sobre estilos de vida, alimentação saudável e opções de tratamentos eficazes que reduzem consideravelmente a ocorrência de outro evento. Estudos anteriores demonstraram que aproximadamente metade dos doentes com elevados níveis de colesterol recebe medicação para reduzir o colesterol, e que somente metade destes é que atinge os níveis de colesterol ideais(6,7). No entanto, a Organização Mundial de Saúde afirma que metade das mortes e incapacidades por enfartes e AVC podem ser prevenidas.(8) Na verdade, tratar o colesterol elevado eficazmente é uma das maneiras mais fáceis de reduzir o risco de DCV. Estudos comprovam que quanto maior for a redução do mau colesterol, menor é o risco de sofrer um ataque de coração ou enfarte.(5,9-12) Alguns tratamentos de redução do colesterol, como a última terapêutica da classe das estatinas, conseguem reduzir o colesterol para metade, aumentar o bom colesterol e atingir os níveis de colesterol saudável em doses reduzidas em mais de oito em dez pessoas.(13,14) Para o Professor Leif Erhart, do Departamento de Cardiologia da Universidade de Malm, na Suécia, e co-autor do estudo: Não há absoluta necessidade em definir o nível a metade. Sabemos que os objectivos de colesterol dos doentes podem ser atingidos com pequenas doses de estatinas, reduzindo significativamente o risco de DCV. Os doentes, as suas famílias e o público em geral têm de ter um papel activo quando se trata do bem-estar do coração para garantir que adoptam um estilo de vida mais saudável e recebem o melhor tratamento, quando é necessário, para atingirem os níveis de colesterol ideais. O mesmo especialista acrescenta que é fundamental que as pessoas com risco de DCV tenham conhecimento de qual é o seu nível de colesterol, qual deverá ser e como deverá ser reduzido ou mantido e os médicos têm que fazer um esforço para explicar aos seus doentes quais as implicações relacionadas com o elevado nível de colesterol. O estudo foi conduzido pela Adelphi International Research, com o apoio da AstraZeneca, em 10 países: Bélgica, Brasil, Dinamarca, Finlândia, França, México, Portugal, Singapura, Coreia do Sul e Reino Unido. Envolveu duas vertentes em análise, um grupo com doentes diagnosticados com elevados níveis de colesterol e um segundo grupo com médicos de família. No total, foram inquiridos 1.547 doentes e 750 médicos. Notas: Já foram desenvolvidos estudos internacionais anteriores que investigaram as atitudes e as percepções sobre a DCV e o colesterol elevado no público em geral.(15) O From The Heart é diferente porque é o primeiro estudo internacional que investiga atitudes, comportamentos e percepções sobre a DCV e colesterol elevado em doentes diagnosticados com elevado nível de colesterol e, por consequência, com grande risco de DCV, em detrimento do público em geral. Recomendações europeias para níveis de colesterol ideais (3) Colesterol Total Mau Colesterol (LDL-C) Doentes com risco reduzido de desenvolverem DCV Abaixo 5.0mmol/L ou 190mg/dL Abaixo 3.0mmol/L ou 115 mg/dL Doentes com elevado risco de DCV (já diagnosticados com DCV e doentes com diabetes) Abaixo 4.5mmol/L ou 175mg/dL Abaixo 2.5mmol/L ou 100 mg/dL Para mais informações por favor consulte os documentos: Cardiovascular Disease, Unmet Needs e From the Heart factsheet, no site: www.AstraZenecaPressOffice.com. Fonte:Sapo [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não