Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Arquipélago carece de maisintérpretes de língua gestual
Imagem da Noticia

Arquipélago carece de maisintérpretes de língua gestual

no dia 21 de Março de 2006
O rendimento escolar de crianças surdas é directamente condicionado pelos métodos e apoios de aprendizagem que têm ao seu dispor e onde o papel dos professores se reveste de uma importância incontornável. Apesar de em algumas escolas da Região já existirem unidades de apoio aos alunos com deficiência auditiva, o que é certo é que ainda vigoram muitas outras lacunas que urge colmatar. Por exemplo, a esmagadora maioria dos docentes não possui qualquer conhecimento sobre a forma de comunicar com crianças surdas. Face a este cenário, a presença de intérpretes de língua gestual nas salas de aula, sobretudo a partir do 2 ciclo, pode ser a solução. Uma situação que já encontra resultados positivos na escola Básica Integrada Canto da Maia, em Ponta Delgada - o único estabelecimento de ensino açoriano que conta com a assistência nas aulas de uma intérprete de língua gestual. A frequentar o 5ano, João Pedro Oliveira, de 13 anos, é assim dos poucos meninos surdos que, no arquipélago, dispõe desse tipo de apoio durante as aulas. Os resultados dessa presença já se reflectem numa significativa melhoria do rendimento escolar do discente comparativamente ao período anterior. Nos dias que a Cidália vem ele consegue acompanhar a aula, faz os exercícios todos. Já quando a intéprete não vem, posso até ir ao lugar e dar-lhe algumas explicações, mas nem sempre são as necessárias e as suficientes para que ele conseguia acompanhar a aula na íntegra, reconhece Madalena Melo, professora de Ciências. Explica ainda a docente que sente muitas limitações porque não tem nenhuma formação ao nível da língua gestual. Nesse sentido, sustenta que seria fundamental a existência de uma cadeira ao longo do curso que nos desse algumas dicas sobre a comunicação com crianças surdas. Mais profissionais na Região Justifica-se a presença de mais intérpretes de língua gestual nos Açores porque há trabalho para eles, argumenta Cidália Correia. Uma posição corroborada pela presidente da Associação de Surdos da Ilha de São Miguel, Ema Gonçalves. De acordo com a dirigente, é premente a necessidade de introduzir intérpretes a partir do 2 ciclo. Acontece que, como a Associação só tem uma intérprete, não há resposta para todas as solicitações. A solução poderá passar pelas vinda de profissionais formados na área, vindos do continente. Fonte:Açoriano Oriental [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não