Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Prótese do joelho
Imagem da Noticia

Prótese do joelho

no dia 19 de Junho de 2006
Dez médicos ortopedistas portugueses integram uma equipa europeia que está a realizar um estudo sobre os benefícios de uma prótese total de joelho desenvolvida em França, verificando os "ganhos de mobilidade" para os doentes. O hospital de Lamego foi o primeiro a avançar com as intervenções cirúrgicas para a colocação daquela prótese em doentes que, nos próximos anos, serão acompanhados pela equipa. "Há um mês colocámos duas próteses, na semana passada mais uma. No total comprometemo-nos a fazer dez intervenções em Lamego até o final do ano, em pessoas que estão na lista de espera normal", disse à Agência Lusa Carlos Cerca, médico ortopedista daquele hospital do norte do distrito de Viseu. Segundo Carlos Cerca,participam também no estudo europeu - coordenado pelo médico francês Philippe Neyret, da Escola de Lyon - médicos de hospitais de Lisboa e Porto (dois cada), Macedo de Cavaleiros, Braga, Outão, Santa Maria da Feira e Santarém. A prótese total de joelho que está a ser aplicada nos doentes foi desenvolvida em França, em 1984, mas, desde então, em evoluído. "O objectivo é que vários grupos de doentes, em Portugal e noutros países da Europa, usem esta prótese, para se compararem resultados dentro de alguns anos", explicou. Depois da cirurgia, os doentes "são acompanhados, para se ver qual a mobilidade que ganharam, qual o desgaste e se não desenvolverem infecções", acrescentou. Carlos Cerca explicou à Lusa que "existem outras próteses totais de joelho", mas a que está a ser usada no estudo tem "um terceiro componente que parece permitir alguns ganhos" em termos de mobilidade. Aquele componente permite a existência de três pontos de contacto entre os restantes, o que permitirá "uma maior distribuição da carga, facilitando a parte articular do joelho em termos de mobilidade", sublinhou. Fonte:Atlântico Expresso [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não