Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Convulsões
Imagem da Noticia

Convulsões

no dia 30 de Agosto de 2006
Já aqui se disse: há febres e febres. Mas uma constitui um verdadeiro papão, deixando os pais em pânico. Trata-se das convulsões, relacionadas com frequência com a morte de bebés ainda que sejam uma doença febril benigna, passível de ser controlada. Manifestam-se nos primeiros anos de vida, no máximo até aos seis, e afectam entre três a cinco por cento das crianças, com maior incidência nos rapazes. Nos primeiros três anos de vida são mais frequentes, diminuindo os episódios à medida que a criança se aproxima dos seis anos, sendo que há uma predisposição familiar para a ocorrência de convulsões. Começam como um simples acesso de febre, mas logo se distinguem na medida em que a criança assume um comportamento estranho: o seu corpo fica rígido, efectua movimentos involuntários e descoordenados, podendo ainda revirar os olhos e apresentar um tom azulado na pele, sobretudo em volta da boca. Uma convulsão não dura mais de um ou dois minutos, mas são minutos de pânico para quem assiste e se sente impotente. Até porque não há forma de travar a convulsão. Na mão dos pais está apenas a possibilidade de minimizar as consequências que uma convulsão tem para a criança, evitando que ela se magoe. Os traumatismos acidentais podem ser mais sérios do que a própria convulsão. Assim, a criança deve ser deitada no chão ou noutra superfície plana, afastada de objectos que a possam magoar. A cabeça deve ser colocada de lado, para que não se engasgue com a saliva. Ao mesmo tempo, e tal como acontece com a febre mais banal, deve ser libertada do máximo de roupa, de modo a que o corpo vá arrefecendo. Resta depois esperar que passe, controlando o impulso natural de lhe interromper os gestos descoordenados que tanta aflição causam. Findo o acesso, há que proceder como em qualquer outro quadro febril, medindo a temperatura e ministrando um medicamento adequado, por exemplo um supositório de paracetamol. Deve em seguida ser contactado o médico, que avaliará se a convulsão em si necessita de tratamento. é natural que a visão de uma criança em plena convulsão deixe a família assustada. Mas há que desdramatizar, na medida em que as convulsões não são perigosas para a criança, não deixando lesões a nível cerebral ou neurológico nem condicionando o aparecimento posterior de epilepsia. E é possível prevenir as convulsões, controlando rigorosamente a febre, mantendo o doente com roupas ligeiras e num ambiente pouco aquecido. Caso haja antecedentes, convém administrar precocemente os medicamentos antipiréticos, de modo a baixar a temperatura o mais depressa possível e eliminar qualquer margem para que a febre desague numa convulsão. Se o seu filho tiver febre... - aligeire-lhe a roupa, preferindo peças de algodão e, sobretudo, evitando tapá-lo com cobertores; - coloque-o num ambiente pouco aquecido, arejado; - passe-lhe compressas húmidas (embebidas em água morna) sobre a testa, a nuca e os braços, mudando com frequência; - dê-lhe um banho de água tépida; - hidrate-o, faça-o beber líquidos, água ou uma bebida açucarada, que também lhe fornece calorias; - se mesmo assim a febre não baixar, dê-lhe um antipirético, de preferência um supositório de paracetamol, facilmente absorvido; - se a febre baixar, mas a criança mantiver um ar doente, leve-a ao médico; - se a febre for acompanhada de vómitos e diarreia persistente, leve-a igualmente ao médico; - se a febre persistir por mais de três dias, mesmo sem outros sintomas, a criança deve também ser observada pelo médico. Fonte:Sapo (Saúde e Medicina) [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não