Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Balanço do Congresso em Vilamoura
Imagem da Noticia

Balanço do Congresso em Vilamoura

no dia 25 de Fevereiro de 2008
O Hotel Marinotel em Vilamoura, no Algarve, acolheu o 2 Congresso Português de Hipertensão, nos dias 21 a 24 de Fevereiro de 2008. Este ano o enfoque do congresso foram as novas orientações clínicas europeias para tratar a hipertensão. 848 Profissionais de saúde de todo o país e de áreas tão variadas como a Medicina Geral e Familiar, a Cardiologia, a Ginecologia Obstetrícia, a Medicina Interna, a Neurologia e a Endocrinologia reuniram-se para trocar experiências e debater a melhor forma de combater a hipertensão. A média habitual de trabalhos e resumos apresentados quadriplicou: 18 trabalhos escolhidos para comunicação oral e 36 para Comunicação de Poster. O Prof. Luís Martins, Presidente da Sociedade Portuguesa de Hipertensão e do Congresso destacou a temática das normas clínicas da European Society of Hypertension que foram apresentadas pela primeira vez em Portugal. A discussão centrou-se no diagnóstico e na terapêutica, para depois particularizar em populações específicas como os adolescentes, as mulheres e as grávidas. O Congresso promoveu ainda um grande debate interdisciplinar com a jornalista Judite de Sousa como moderadora dos médicos de diferentes especialidades (cardiologia, cirurgia geral, medicina interna, endocrinologia, nefrologia, neurologia e saúde pública). Insistir na comunicação entre médicos e para a população em geral foi a mensagem principal. Muitas vezes, há uma grande dificuldade do médico em convencer o doente a ter um estilo de vida saudável e a ser persistente no tratamento da doença. Temos de actuar mais cedo, em vez de retardar os efeitos finais da hipertensão e de gastar 97% do orçamento com a doença e apenas 3% com a saúde, sublinhou o Prof. Luís Martins durante o debate. Temas como a importância da variabilidade da tensão arterial (TA) na avaliação do hipertenso, a importância do factor económico na adesão ao tratamento, a auto medicação, as reacções adversas, entre outros foram abordados durante os quatro dias de trabalhos. Reconhecendo o papel fundamental que os médicos de clínica geral desempenham na prevenção e tratamento da hipertensão, na sessão de casos clínicos foi realizada uma reunião conjunta entre a Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH) e a Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral (APMCG), que contou com a presença do Dr. Luís Pisco, Presidente da APMCG. O Congresso teve ainda pequenos-almoços de trabalho onde foi discutido como abordar o doente hipertenso numa primeira consulta e o doente hipertenso na urgência. A hipertensão é um problema de saúde pública em Portugal. Apenas cerca de metade dos hipertensos (no total são perto de 2 milhões) sabe ter a pressão arterial elevada. A Hipertensão Arterial (HTA) é um factor de risco de doença cardiovascular, e a principal causa de morte e incapacidade no nosso País. Hoje sabe-se que a adopção de um estilo de vida saudável pode prevenir, pelo menos em parte, o aparecimento de HTA. Por outro lado, sabe-se que existe um enorme potencial para reduzir a incidência de doença e de morte cardiovascular se a HTA for detectada precocemente e controlada de forma adequada. Fonte:Pharmaedia [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não