Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Comunicado
Imagem da Noticia

Comunicado

no dia 02 de Junho de 2008
Enquanto os nossos políticos, os do governo e os do maior partido da oposição, que têm constituído alternadamente os governos constitucionais, se acusam mutuamente pela situação desastrosa em que o País se encontra, a esmagadora maioria dos cidadãos portugueses deita contas à vida para conseguir suportar as despesas até ao fim do mês. Segundo um estudo do economista Eugénio Rosa, baseado em dados da Associação Portuguesa de Bancos, em 2007 a banca portuguesa pagou menos 156 milhões de euros em impostos e taxas do que em 2006, apesar de ter tido lucros superiores em 47 milhões de euros passou de 2.800 milhões em 2006 para 2.847 milhões em 2007. Se a banca tivesse pago as taxas legais, ou seja, aquelas que têm de pagar nomeadamente as PME, o Estado teria recebido, em 2006 e 2007, mais 564 milhões de euros de IRC e derrama do que recebeu. Portanto, os elevadíssimos lucros da banca continuam a ser financiados à custa do Orçamento do Estado. Enquanto a gasolina e o gasóleo aumentam quase com regularidade quinzenal para o consumidor, e com eles os bens essenciais, a Galp anuncia um lucro indecente, entre Janeiro e Março de 2008, de 175 milhões de euros, mais 23% face ao período homólogo do ano anterior. Claro que nos dirão que estas situações decorrem das regras do mercado e que quem critica a actuação das empresas é ignorante, como afirmou o Presidente da Galp. Podem os portugueses ser ignorantes em matéria de economia. Sabem, no entanto, que Portugal é o campeão europeu das desigualdades e campeão europeu da pobreza. Sabem, até porque foi ainda ontem salientado pelo Presidente da República, que é abissal a desproporção entre os rendimentos dos altos dirigentes das empresas e os dos trabalhadores. Sabem as pessoas com deficiência que a pensão social de invalidez é de 181,91 euros mensais, que os trabalhadores com deficiência viram agravada a sua carga fiscal e que as pessoas com mobilidade reduzida não têm alternativa senão utilizar o transporte próprio. Sabem que assim é porque este Estado incompetente e indiferente, de grupo de estudo em grupo de estudo e de plano em plano, continua a adiar a solução dos problemas. E sabem que estão saturadas deste estado de coisas. Lisboa, 31 de Maio de 2008 Fonte:Associação Portuguesa de Deficientes [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não