Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Alzheimer: a doença, o doente e a família
Imagem da Noticia

Alzheimer: a doença, o doente e a família

no dia 06 de Março de 2009
Fala-se que é uma doença do século XXI, diz-se que não tem cura, sabe-se que o Governo Regional dos Açores não a considera prioritária em termos de intervenção e apoio. é este um quadro de referência sobre a situação social da doença de Alzheimer nos Açores. Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID), a Doença de Alzheimer integra o grupo das demências, tratando-se, concretamente, de uma doença neurodegenerativa em que as alterações e destruição do tecido nervoso é gradual e progressiva, iniciando-se a partir de um indeterminado momento da vida adulta. Ao princípio, observam-se pequenos esquecimentos, perdas de memória, normalmente aceites pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos. Acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos. à medida que a doença evolui, tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as actividades elementares do quotidiano, como alimentação, higiene, vestuário, etc. E o maior problema é que não existem, por cá, em número suficiente, Clínicas ou Associações que garantam o cuidado permanente a estes doentes. Em Ponta Delgada, existe uma única Associação (ALZA) que intervém sobre esta doença. Apesar das suas limitações, físicas e financeiras, a ALZA tem já um trabalho de mérito na nossa comunidade e junto dos doentes de Alzheimer que ainda têm alguma autonomia. Contudo, quem mais uma vez escapa às suas responsabilidades é o Governo Regional dos Açores, que secundariza a gravidade desta doença não garantindo qualquer tipo de apoio, principalmente quando a necessidade de cuidados continuados e paliativos se torna uma prioridade. Na verdade, para quem vive a doença, quer como doente, quer como familiar, é chocante ver que, só num quarto mandato do Partido Socialista no Governo, se pensa em criar 300 camas de cuidados continuados até 2012, quando o apoio aos idosos (doentes) sempre foi um problema mor da sociedade açoriana. é que os cuidados de saúde e os cuidados sociais deverão ser as "duas faces da mesma moeda" e o contributo de todos não será certamente demasiado, principalmente de quem tem competências públicas na matéria. Se é só em 2012 que 300 idosos se podem considerar apoiados em cuidados continuados, o que andou a fazer o Governo Regional, neste âmbito, ao longo de 12 anos? || Fonte:Açoriano Oriental [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não