Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Artrose afecta um terço dos açorianos até aos 50 anos
Imagem da Noticia

Artrose afecta um terço dos açorianos até aos 50 anos

no dia 12 de Outubro de 2009
A prevalência de doentes com artrose nos Açores é superior à do continente devido ao peso que o sector agrícola detém na economia do arquipélago, afectando 30% da população aos 50 anos, percentagem que ultrapassa os 55% para a faixa etária a partir dos 60 anos, afirma Guilherme Figueiredo, director do Serviço de Reumatologia do Hospital de Ponta Delgada, valência que abriu portas há 21 anos (nas antigas instalações, no Campo de São Francisco). O primeiro reumatologista da maior unidade hospitalar da Região alerta, todavia, que do actual número de especialistas nos hospitais - três em Ponta Delgada - há que evoluir para seis, reforçando o Hospital do Divino Espírito Santo com um e o Hospital de Santo Espírito (Angra do Heroísmo) com dois, um dos quais se encontra em formação. "Assim os Açores ficariam com seis reumatologistas para uma população de 241 mil pessoas o que significaria um rácio equiparado ao que acontece nos países mais desenvolvidos da Europa", explica. Dentro das possibilidades existentes, os três especialistas que exercem em Ponta Delgada deslocam-se, seis vezes por ano, durantre uma semana, ao Faial e, no Hospital da Horta, atendem doentes locais, mas também do Pico e das Flores. Vão ainda, quatro vezes por ano, a Santa Maria. "A descentralização da actividade foi outras das medidas pioneiras da reumatologia nos Açores, com óbvias vantagens económicase conforto para os pacientes", reforça Guilherme Figueiredo, numa opção opção ainda mais benéfica para os idosos, pois a frequência da artrose aumenta de modo significativo com a idade afectando quase 100% da população portuguesa aos 80 anos. Embora não haja cura para a artrose - destruição progressiva dos tecidos que compõem a articulação, em particular a cartilagem, conduzindo à instalação progressiva de dor, deformação elimitação dos movimentos - a definição de um protocolo terapêutico adequado a cada doente, permite prevenir ou corrigir problemas da morfologia, aliviar os sintomas, melhorar a capacidade funcional e, acima de tudo, a qualidade de vida. Todas as articulações podem ser envolvidas pela artrose, contudo, as ancas, os joelhos, os pés e a coluna (articulações de carga) e os ombros, são as mais vulgarmente atingidas. De um modo geral, a doença é mais frequente e agressiva no sexo feminino e algumas profissões com particulares exigências físicas têm também maior tendência a desencadear a artrose, sendo esse o caso da indústria têxtil, em relação ao polegar, da agricultura, relativamente à anca e joelho e da indústria de construção civil na artrose do joelho. Um programa de exercício físico diário e uma dieta equilibrada com consequente controlo de peso são fundamentais para "controlar" a artrose. Fonte:Açoriano Oriental [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não