Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação:Motor de busca | Saltar para o conteúdo

Portal do Cidadão com Deficiência

Associação Portuguesa de Deficientes Delegação S.Miguel

Navegação

Em conformidade com a Acessibilidade Web:

Símbolo de
Acessibilidade à Web Acessibilidade Certificada Validação W3C WAI-AAA Validação W3C CSS Validação W3C XHTML

Notícia + - Imprimir

Inicio » Notícias » Estudo publicado na revista "Neurology"
Imagem da Noticia

Estudo publicado na revista "Neurology"

no dia 27 de Junho de 2011
Consumir azeite na alimentação diária pode reduzir o risco de acidente vascular cerebral (AVC), sugere um novo estudo publicado na revista "Neurology". Investigadores do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica, em Bordéus, França, acompanharam 7.625 pessoas, com mais de 65 anos em três cidades - Bordéus, Dijon e Montpellier - durante um período de cinco anos. Os participantes foram divididos em grupos de acordo com o seu consumo de azeite, desde aqueles que não consumiam, até aos que consumiam moderadamente e intensivamente. Os voluntários utilizavam principalmente azeite exta-virgem. No estudo foram controlados outros factores de risco para AVC, como a hipertensão, o exercício físico, o tabagismo e o consumo de álcool. Durante o tempo em que decorreu o estudo foram notificados 148 AVC. Contudo, os cientistas verificaram que as pessoas que usavam azeite regularmente na alimentação ou seja para cozinhar e para temperar, tinham 41% menos probabilidade de sofrer um AVC do que aqueles que raramente consumiam. As propriedades do azeite, que incluem o ácido oléico ou polifenóis, também podem ser o segredo do efeito protetor, referem os investigadores. Segundo o estudo, os polifenóis são nutrientes antioxidantes que reduzem a inflamação no sistema vascular. O azeite é composto por 80% de ácido oléico. Uma segunda amostra do estudo apresentou alguns dados contraditórios. Neste teste foi medido o ácido oléico no sangue de 1.245 participantes. Neste grupo ocorreram 27 AVC, com um risco 73% mais baixo nas pessoas que tinham níveis mais altos de ácido oleico. No entanto, os cientistas verificaram que os níveis mais elevados também foram associados a um maior consumo de manteiga e de outras gorduras de origem animal, o que, segundo a líder da investigação, Cecilia Samieri, "pode explicar o padrão desfavorável dos factores de risco associados aos níveis mais elevados de ácido oléico no plasma". Fonte:Correio dos Açores [Fim de Notícia]

EM DESTAQUE

PRÓXIMOS EVENTOS

Mais Eventos

INQUÉRITO

Março é o mês da Saúde dos Pés. Já consultou um Podologista?

  • Sim
  • Não